29/11/2009

sem-titulo2

Para a massa:



- 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
- 2 colheres (sopa) de açúcar
- 1 colher (café) de sal
- 2 colheres (chá) de fermento em pó
- 7 colheres (sopa) de margarina
- 2 gemas

Para o recheio:

- 3 ovos
- suco de 2 limões
- 1 e ½ xícara (chá) de açúcar
- 250 g de margarina

Para a cobertura:


- 2 claras
- 3 colheres (sopa) de açúcar

Para Polvilhar
- Raspas de casca de 1 limão

1. Numa tigela peneire a farinha o açúcar, o sal e o fermento. Faça uma cova no centro. Nela, coloque a margarina e as gemas, misture com as pontas dos dedos.
2. Junte 2 colheres (sopa) de água gelada e incorpore os ingredientes até formar uma bola. Embrulhe em filme plástico e leve a geladeira por 15 minutos.
3. Forre o fundo e as laterais de forminhas individuais para tarteletes com a massa. Fure todo o fundo com um garfo. Leve ao forno médio (180ºC) preaquecido e asse por 25 minutos.
4. Faça o recheio: em um refratário, coloque os ovos e bata com um batedor de arame. Junte o suco de limão, o açúcar e por último a margarina. Misture bem. Leve em banho-maria em fogo baixo, sem deixar que a água ferva. Mexa com um batedor de arame e, quando a margarina começar a derreter, comece a bater vigorosamente até formar um creme grosso. Leve ao freezer por 15 minutos. Reserve.
5. Para preparar a cobertura bata as claras em neve na batedeira até ficarem bem firmes e acrescente o açúcar aos poucos.
6. Despeje o recheio sobre a massa e cubra a torta com o mistura de claras. Polvilhe as raspas de limão e leve para geladeira antes de servir.




tortinha-de-goiabada-com-calda-de-queijo-f4-11545


Massa

2 xícara(s) (chá) de farinha de trigo
160 gr de manteiga gelada(s)
55 gr de açúcar de confeiteiro
1 colher(es) (café) de canela-da-china em pó
1/2 colher(es) (café) de fermento químico em pó
quanto baste de sal
1 unidade(s) de ovo
1 unidade(s) de gema de ovo
Recheio
1 xícara(s) (chá) de goiabada derretida(s)
Calda
75 gr de cream cheese
500 ml de creme de leite fresco
quanto baste de leite
quanto baste de sal
Massa
Coloque os ingredientes secos e a manteiga no processador e pulse algumas vezes até obter uma farofa. Acrescente o ovo e pulse até ter uma massa homogênea. Forme uma bola com a massa, cubra com filme plástico e leve ao refrigerador por 30 minutos. Divida a massa em porções e forre forminhas individuais de torta com aproximadamente 10 cm de diâmetro. Fure o fundo com um garfo e disponha o recheio dentro delas. Não encha muito. Com o restante da massa, faça tiras e decore a superfície das tortinhas. Pincele as tiras com a gema e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC por cerca de 25 minutos ou até que a massa e o recheio estejam firmes. Desinforme e depois de frio, polvilhe com açúcar de confeiteiro. Sirva com a calda de queijo.
Calda
Dissolva o cream cheese no creme de leite fresco em fogo brando. Não deixe engrossar. Acrecente o leite, colher a colher, até obter uma calda leve. Tempere com uma pitada de sal para realçar o sabor do queijo.


Rendimento: 50 porções
4 xícara(s) (chá) de leite em pó
2 xícara(s) (chá) de açúcar de confeiteiro
1 vidro(s) de leite de coco pequeno(s)
Misture os ingredientes secos e a seguir adicione aos poucos o leite de côco até dar um ponto firme na massa. Deixe descansar. Procure não fazer em um dia muito quente, senão demora muito esta fase. Faça bolinhas (como um brigadeiro pequeno), ou minhoquinhas para depois cortar em quadradinhos. Jogue um a um dentro de um saco plástico com açúcar de confeiteiro para envolver os docinhos levemente. Dica: você pode também rechear as bolinhas com uvas, passas, pedacinhos de côco, de chocolate, etc.

Torta Assada de Coco 


Rendimento: 8 porções

1 lata(s) de leite condensado
1 1/2 xícara(s) (chá) de água
1/2 xícara(s) (chá) de biscoito maisena picado(s)
3 unidade(s) de ovo
50 gr de margarina
1/2 colher(es) (chá) de essência de baunilha
1 xícara(s) (chá) de coco ralado(s)
Bata no liqüidificador todos os ingredientes menos o coco ralado. Coloque em tabuleiro untado e deixe descansar por 5 minutos. Polvilhe com o coco ralado. Asse em forno moderado por 35 minutos.







500 gr de açúcar
2 colher(es) (chá) de vinagre branco
1 colher(es) (chá) de anilina
4 unidade(s) de maçã
Misture os três primeiros ingredientes e faça uma calda grossa. Pegue as maçãs e espete em palitos de sorvete e mergulhe na calda. Ponha no tabuleiro e deixe esfriar. Observação:A anilina deve ser vermelha. O ponto da calda é aquele logo após o derretimento do açúcar. (Por volta de 147ºC).





2 kg de batata bolinha
3 unidade(s) de cebola picada(s)
3 dente(s) de alho picado(s)
200 ml de vinagre branco
1 copo(s) de óleo de soja
quanto baste de sal
quanto baste de pimenta-do-reino branca moída(s)
quanto baste de salsinha picada(s)
1 unidade(s) de pimenta dedo-de-moça sem semente(s)
Deixe as batatas de molho na água por meia hora e esfregue-as com uma escova. Cozinhe-as em água até que estejam macias. Misture todos os ingredientes do molho. Escolha um frasco grande com tampa, ou travessa com tampa, coloque as batatas e, por cima, o molho à vinagrete. Prove e tempere com sal suficiente. Leve à geladeira por, pelo menos, dois dias, antes de servir.



21/11/2009

Receitinhas


Manteiga com Ervas – Misturando com Ervas e Fazendo Desenhos 



pr_54_11

Dê sabor à manteiga misturando ervas frescas picadas ou alho. Use um garfo para misturar bem. Sirva com carnes e peixes grelhados.




Passe o rolo sobre a manteiga em cima de papel-manteiga. Use um cortador de biscoitos para fazer as formas. Guarde na geladeira.

pr_55_12
Fonte Terra.com.br



Cebolas Fritas



onion


Ingredientes


8 unidades de cebolas médias
1 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de leite
óleo a gosto
1 1/2 colher (chá) de sal
Modo de preparo

Coloque o leite em uma vasilha. Descasque e pique as cebolas em fatias não muito finas. Solte as fatias, separe os anéis e coloque-os de molho no leite. Em uma outra vasilha, misture a farinha de trigo com o sal. Passe os anéis de cebola na farinha de trigo e frite-os em óleo quente. Para absorver o máximo do óleo da fritura, coloque os anéis sobre papel toalha.








batatas-risolet-ao-alho-e-bacon-f4-12018
Rendimento: 6 porções
6 unidade(s) de batata sem casca(s)
6 dente(s) de alho picado(s)
100 gr de bacon em cubos pequenos
1 colher(es) (sopa) de manteiga
1 colher(es) (sopa) de salsinha picada(s)
quanto baste de sal
Corte as batatas em cubos médios e cozinhe, tomando o cuidado de mantê-las firmes. Escorra e reserve. Em uma frigideira, aqueça a manteiga e frite o bacon. Quando estiver dourado, acrescente o alho. Assim que o alho começar a dourar levemente, adicione as batatas reservadas e refogue-as em movimentos rápidos. Assim que as batatas estiverem douradas, desligue o fogo e salpique a salsinha. Mexa bem e sirva como acompanhamento.



Rendimento: 1 porção
3 colher(es) (sopa) de maionese
3 colher(es) (sopa) de creme de leite
1 colher(es) (sopa) de catchup
1 colher(es) (sopa) de conhaque
Misture bem todos os ingredientes. Acrescente sal, 1 colher (sopa) de salsinha ou manjericão picado.






Rendimento: 7 porções


3 dente(s) de alho esmagado(s)
1 lata(s) de creme de leite
3 colher(es) (sopa) de maionese
1 colher(es) (sopa) de azeite
1 colher(es) (chá) de glutamato monossódico
quanto baste de cheiro-verde picado(s)
1 colher(es) (café) de sal

Adicione todos os ingredientes, em um recipiente com tampa, misture com vigor. Incrementos:pode incrementar esta receita, acrescentando ervas ou especiarias que combinem com o tipo de carne servida.

Molho Tartare Especial

Rendimento: 6 porções


200 ml de azeite
2 unidade(s) de gema de ovo
quanto baste de cebolinha verde picada(s)
quanto baste de sal
quanto baste de cebola picada(s)

No liquidificador coloque metade do azeite e o restante dos ingredientes. Comece a bater e vá acrescentando o restante do azeite em fio.




25/10/2009

Cora Coralina

Antiguidades Quando eu era menina bem pequena, em nossa casa, certos dias da semana se fazia um bolo, assado na panela com um testo de borralho em cima. Era um bolo econômico, como tudo, antigamente. Pesado, grosso, pastoso. (Por sinal que muito ruim.) Eu era menina em crescimento. Gulosa, abria os olhos para aquele bolo que me parecia tão bom e tão gostoso. A gente mandona lá de casa cortava aquele bolo com importância. Com atenção. Seriamente. Eu presente. Com vontade de comer o bolo todo. Era só olhos e boca e desejo daquele bolo inteiro. Minha irmão mais velha governava. Regrava. Me dava uma fatia, tão fina, tão delgada... E fatias iguais às outras manas. E que ninguém pedisse mais ! E o bolo inteiro, quase intangível, se guardava bem guardado, com cuidado, num armário, alto, fechado, impossível. Era aquilo, uma coisa de respeito. Não pra ser comido assim, sem mais nem menos. Destinava-se às visitas da noite, certas ou imprevistas. Detestadas da meninada.
As vezes quando criança acordava com um cheiro de cravo e erva doce. E ainda sonolenta deixa-me guiar pelo aroma que vinha direto da cozinha de minha avó na casa da fazenda. Fogão a lenha, e um grande forno! Quem dera se agora no presente tivesse uma chance de ir ao passado adulta como sou hoje. Levaria comigo uma máquina digital para fotografar tudo a minha frente.Tiraria fotos detalhadas da cozinha , das grandes panelas brilhantes penduradas na parede ...dos potes com água fresquinha atrás da porta da sala de janta.Mesa quadrada...guarda-louças logo ao lado repleto de louças históricas! talvez o cartão de memória da minha máquina estourasse de tantas fotos que eu tiraria daquele passado quando eu era criança. Acho até que tiraria uma fotografia de mim mesma criança. De minha casinha de bonecas arrumadinha no quartinho dos fundos...minhas panelinhas de barro...tenho cá em minha cabeça e coração um cartão de vários gigas de memória...que pena que não posso revelar em papel fotografia. mas...vou revelando por aqui em palavras e pontuações, acentos e vírgulas e exclamações saudosas...
COMIDAS NORDESTINAS A culinária nordestina é modesta porém variada agradando qualquer paladar tem cuscus com leite, buchada, a boa cocada de rapadura além da gostosa panelada * O baião-de-dois, que petisco! Arroz-d-leite, carne de bode, manteiga da terra, chouriço, desde que não engorde mas se engordar, que fazer? Come, balança e sacode * Carne-de-sol com farofa, queijo de coalho e goiabada, feijão verde, arroz da terra, pamonha, café e coalhada, bolacha preta, canjica, tapioca doce e salgada * Caldo de cana e pão doçe, cocada feita com leite, fuçura de bode cozida, doce de banana, um deleite, pé-de-moleque, espéci, um docinho de caju, aceite! * Bolo de milho, doce de coco manga, suco de maracujá abacaxi quase açúcar sapoti, melão, munguzá seriguela e cajarana mocotó no feijão e juá * Grude, cocorote, broa, mel de engenho, milho assado, sequilhos feito de goma galinha guisada, guiné torrado sopa de feijão todos gostam e posta frita de Dourado * Sirvam-se de doce de jerimum, de mamãe, banana ou caju, goiaba em calda ou compota, mangaba e batida de umbu, arroz doce, um espetáculo, que tal um melzinho de uruçu? * Claro que tem muito mais mas não tenho tudo na cachola há outras tantas variações é só procurar, ora bolas! Pelo menos podemos saber que o Nordeste é da hora.

Uma poesia

COMIDAS NORDESTINAS A culinária nordestina é modesta porém variada agradando qualquer paladar tem cuscus com leite, buchada, a boa cocada de rapadura além da gostosa panelada * O baião-de-dois, que petisco! Arroz-d-leite, carne de bode, manteiga da terra, chouriço, desde que não engorde mas se engordar, que fazer? Come, balança e sacode * Carne-de-sol com farofa, queijo de coalho e goiabada, feijão verde, arroz da terra, pamonha, café e coalhada, bolacha preta, canjica, tapioca doce e salgada * Caldo de cana e pão doçe, cocada feita com leite, fuçura de bode cozida, doce de banana, um deleite, pé-de-moleque, espéci, um docinho de caju, aceite! * Bolo de milho, doce de coco manga, suco de maracujá abacaxi quase açúcar sapoti, melão, munguzá seriguela e cajarana mocotó no feijão e juá * Grude, cocorote, broa, mel de engenho, milho assado, sequilhos feito de goma galinha guisada, guiné torrado sopa de feijão todos gostam e posta frita de Dourado * Sirvam-se de doce de jerimum, de mamãe, banana ou caju, goiaba em calda ou compota, mangaba e batida de umbu, arroz doce, um espetáculo, que tal um melzinho de uruçu? * Claro que tem muito mais mas não tenho tudo na cachola há outras tantas variações é só procurar, ora bolas! Pelo menos podemos saber que o Nordeste é da hora.

saudades

Algum tempinho que não apareço...computador com problemas!! Já estava morrendo de saudades! Estou de volta com receitinhas e histórias para contar!! Um grande beijo! Aguardem!!

27/09/2009

Pão de Minuto

4 xícara(s) (chá) de farinha de trigo peneirada(s) 4 unidade(s) de ovo 4 colher(es) (sopa) de açúcar 2 colher(es) (sopa) de manteiga 2 colher(es) (sopa) de fermento químico em pó 1/2 colher(es) (sopa) de sal 1/4 xícara(s) (chá) de leite Peneire a farinha, faça um furo no meio e coloque todos os ingredientes. Misture e amasse bem, até soltar das mãos. Faça pãezinhos, pincele com gema e asse em fôrma untada até que estejam dourados. Obs; use fermento biológico no lugar do químico se quiser e deixe descansar por uns 20 minutinhos

24/09/2009

Arroz das Filipinas

Eu fiquei encantada! E só sosseguei depois que consegui tecer esta cestinha!!Estou esperando um momento especial para fazer este arroz! È claro que vou dar meu toque pessoal!!

18/09/2009

As visitas do Coronel Ruberto Porto.

Ilustre e conceituado coronel da região, assim como outros homens importantes da política faziam parte do círculo de amizades de meu avô. E todos os Domingos era convidado cativo para o almoço na casa da fazenda ,morada de meus avós.Eu não me recordo dessa época pois ainda nem nascida era. Mas minha mãe conta que ele chegava em um elegante e bem arriado cavalo. Apeava do mesmo e o amarrava sobre a sombra do gigantesco pé de Oiticica. A conversa naturalemnte se desnrrolava calorosa na sala de visitas sobre política e sobre negócios, enquanto na cozinha a todo vapor minha avó se esmerava no almoço. Não, desta vez as galinhas ciscavam no terreiro tranquilas. Se era uma visita que as deixavam tranquilas, era a do coronel . Por saber que seu prato favorito era peixe. Para ser mais precisa Cavala.E meu avó partilhava do privilégio de compra-las fresquinhas na beira da praia. As melhores eram guardadas para ele. Conta minha mãe que o arroz até doia na vista de tão branco; e pontinhos verdes se destacavam de forma harmoniosa . Era cheiro verde picado miudinho . O aroma da cavala "amoquenhada*" (de véspera) invadia toda a aréa da cozinha e alpendres adjacentes... Numa panela separado estava já o leite de coco puro espremido da própria fruta com as mãos, esperava o momento ideal de mergulhar as postas de cavala ,para dar uma fervura rápida.Nada mais que cinco minutos. Farofa de leite de coco, arroz branquinho com cheiro verde, salada fresca da horta, naturalmente, pirão de farinha de mandioca em forma de monte; regado com leite grosso de coco; a cavala disposta em uma travessa estilo vitoriana fechava o cardápio. nem preciso dizer que toda a louça era estilo vitoriana. Minha mãe conta que somente depois de toda a mesa posta e revisada por minha avó é que o convidado era chamado a mesa.Dava gosto de olhar!. E o almoço transcorria tranqüilo e amigável.Na cozinha o reboliço era total!As vezes ele trazia seu filho para almoçar também. Rapaz bonito e garboso. Bom partido! As moças da casa ficavam alvoroçadas...mas sabe como é...naquela época mulher não descutia política, nem muito menos as moças solteiras, participavam de conversas de homens... Fico pensando...bem que eu podia ter nascido nesta época.Ia adorar apreciar a louça, o estilo de vida de meus avós. Amoquenhar: ato de assar por pouco tempo o peixe. Na época de meus ávos fazia da seguinte forma;retirava uma palha de carnaubeira, retirava o talo cortava em pedaços médios e os dispunha sobre brasas bem quentes.E colocava o peixe para assar por cima dos talos,por pouco tempo. Assim procedia-se por não haver como conservar em geladeira.

Que fofura

09/09/2009

Voltando aos jantares da casa da fazenda de meus ávos...

Eu me recordo bem, quando ainda criança,na casa de meus avós,meu tio chegando da cidade com a família para passar uns dias na casa da fazenda. Eu sentia um clima mágico no ar. Instalava-se na casa toda um reboliço, uma euforia festiva, parecia que ao invés de meu tio, chegava um rei e toda a sua corte. O cardápio do almoço era galinha caipira, pega no quintal! Coitada, acho até que as pobrezinhas já sabiam que morriam em série, quando avistavam meu tio chegando! O fogão era a lenha. Fechando os olhos,posso vê-lo ! Ainda bem que as lembranças não envelheçem e, até podemos dizer "até pareçe que foi ontem"! galinha caipira, cozida com molho e ervas retiradas do canteiro (horta).Escrevendo estas memórias recordo-me de minha avó .Uma senhora corpulenta, que andava com grande saia, de bons princípios,mas muito Matriarcal. O jantar era mesmo especial. A mesa era posta com muito esmero.Uma toalha impecável, retirada do baú de madeira pesada;( o que eu não daria para ter aquele baú hoje aqui comigo) ricamente bordado.Lá continha uma infinidade de jogos de cama ,mesa e banho para ocasiões especiais. A janta era sempre peixe fresquinho no leite de coco. Pirão de farinha de mandioca modelado sobre uma bandeja, em forma de monte; regado com o leite de coco bem grosso por cima.Arroz branco. Uma travessa com cajú cozido... Sobremesa; doce de coco com mamão... Hoje eu me recordo, e fico fascinada como minha avó e minha mãe eram requintadas naquele tempo. Para finalizar o jantar um bonito jogo de xícaras impecavelmente dispostos sobre a mesa,para servir o cafezinho...Aquele bule tão majestoso!Acho que foi nesta época que fiquei fascinada por bules, xícaras e chaleiras!!! Eu,bem pequena,mas isso tudo me fascinava de forma extraordinária...

Dicas

Você quer passar algumas horas divertidas, na companhia de gente agradável, e ainda oferecer-lhes um tributo ao paladar? Convide-os para jantar em sua casa, não se esquecendo dos detalhes que despertam todos os sentidos. ° Até à época da Revolução Francesa, o jantar consistia na refeição que se fazia ao meio da jornada. Até então, este era antecedido apenas pelo almoço, refeição esta que representava a primeira do dia. Em conveniência aos horários da deliberação da Assembleia, acabou se criando o hábito de interpor uma refeição a estas duas, a qual adotou o nome de almoço (dejeneur), passando a primeira para pequeno almoço (petit dejeneur), que aqui no Brasil se denomina café da manhã. Então o horário do jantar arrastou-se para mais tarde, até chegar ao horário de hoje em dia. ° No jantar, use pratos de poucas calorias.

05/09/2009

Mergulho no passado

Tomates recheados,que mergulho na minha adolescência!Minha mãe costumava fazê-lo aos domingos...

Mamãe disse;

Não brinque com a comida!

Dicas especiais

Café com chocolate: Para dar um sabor especial ao cafezinho coloque no filtro, junto com o pó, uma colher pequena de achocolatado. Não exagere na quantidade. Fica suave e dá um gostinho todo especial. Café com leite: Para um delicioso café da manhã, coloque um pouco de leite condensado numa xícara, adicione um pouquinho de café solúvel e água quente. Misture tudo e saboreie esta delícia junto com pães, bolos ou biscoitos. Café sempre quente: Para o café ficar quente por mais tempo na garrafa térmica é muito simples. Coloque a água para ferver. Assim que começar a levantar fervura, lave a garrafa térmica em água corrente, despeje a água quente dentro e feche bem. Em seguida, faça o café. Assim que estiver pronto, retire a água e coloque o café.

Algumas dicas

Nada como compartilhar o sabor da primeira refeição com alguns amigos, primando nos detalhes que envolvem todos os sentidos, para o despertar de um novo dia. ° Você pode convidar por telefone ° Confecione você mesma(o) o convite, usando a sua criatividade ° Os convites devem ser feitos, no mínimo, com 3 ou 4 dias de antecedência ° O melhor horário para a chegada deve ser estipulado entre as 8 e 9
horas ° Não se esqueça de confirmar a presença dos convidados, para poder compor os lugares à mesa DICA: ° Compre dessas embalagens minúsculas, de alguns dos ingredientes que compõem o café da manhã ° Envolva-a em papel celofane ° Amarre com uma fitinha ° Preencha um cartão, onde deve constar a descrição da ocasião, data, horário e endereço ° Fure o cartão com um furador de papel ° Prenda o cartão na fitinha Coloque uma música ambiente, em volume baixo (para não atrapalhar a conversa), e de preferência, instrumental. Prepare o ambiente na sala, no terraço ou no jardim. Optando por toalha: ° Cubra a mesa com uma toalha, (de preferência lisa, e de uma cor que combine com o jogo de pratos e xícaras) ° Os donos da casa nunca devem ocupar as pontas, (para que possam intermediar as conversas) ° Os donos da casa devem ficar um de frente para o outro ° Coloque os convidados mais importantes, (seja qual for o critério que usar), ao lado dos donos da casa, em grau decrescente, à direita e à esquerda, colocando os homens ao lado da mulher, e vice-versa ° Intercale homens com mulheres, colocando os casais frente a frente

20/08/2009

Pão de liquidificador!

Facílimo. Não precisa sovar a massa. Ingredientes: - 1 ovo - ¼ de xícara (chá) de azeite - ¼ de xícara (chá) de óleo - 1 e ½ xícaras (chá) de leite morno - ½ colher (sopa) de açúcar - ½ colher (sopa) de sal - 1 tablete de fermento fresco - 3 e ½ xícaras (chá) de farinha de trigo Preparo: No liquidificador, bata todos os ingredientes, exceto a farinha de trigo. Despeje o líquido obtido em uma tigela, acrescente a farinha de trigo peneirada e misture bem. Coloque a massa em uma forma de pão caseiro grande (ou forma de bolo inglês) de 31 cm X 12,5 cm, untada com manteiga. Cubra a forma com um pano de prato limpo dobrado ao meio. Espere a massa dobrar de volume (cresce quase até a borda da forma). Pré-aqueça o forno na temperatura baixa por 3 minutos. Coloque a forma no forno e espere 15 minutos. Aumente a temperatura para 180º (média), sem abrir a porta do forno, e espere até que o pão esteja corado (cerca de 40 minutos). Quando estiver pronto, retire a forma do forno e espere esfriar completamente antes de desenformar para que o pão não se quebre. Dicas: - Quando o pão for crescer, evite colocar a forma em superfícies frias como o metal e o mármore que podem retardar o crescimento da massa. Se não tiver outro lugar para apóiá-la, coloque-a sobre um pano de prato dobrado. - O leite morno serve para ativar o fermento e fazer o pão crescer melhor. Entretanto, é importante notar que o leite deve estar morno e não fervendo. O leite quente demais (a ponto de queimar a pele) pode fazer o efeito contrário ao desejado e desativar o fermento, impedindo o crescimento do pão.

19/07/2009

Bolo de caneca •1 ovo pequeno •4 colheres de sopa de leite •3 colheres de sopa de óleo •2 colheres de sopa de chocolate em pó •4 colheres de sopa de farinha de trigo •4 colheres de sopa de açucar •1 colher de café rasa de fermento em pó Rende duas canecas comuns ou 1 caneca grande (daquelas de sopa ou creme) Tempo Menos de 10 minutos Pra começar, tem que bater o ovo. Você pode fazer direto na caneca, mas além de sujar as bordas, acho que não dá pra bater tão bem. Use um garfo ou um "fuê" (batedor de ovos). Bata bem MESMO. Depois, junte o óleo, o açúcar, o chocolate e o leite. Bata BEM. Por último, junte a farinha e o fermento, aos poucos, batendo mais delicadamente. Leve ao microondas por 3 ou 4 minutos

16/06/2009

Bolo de Laranja

Ingredientes Massa· 4 ovos (claras e gemas separadas) · 2 xícaras (chá) de açúcar · 1 xícara (chá) de suco de laranja · 2 xícaras (chá) de farinha de trigo · 1 colher (sopa) de fermento em pó Recheio· 1 lata de leite condensado · 2 colheres (sopa) de margarina · 1 colher (sobremesa) de amido de milho · 1 garrafa de leite de coco (200 ml) · 100 g de coco ralado · 1/2 lata de creme de leite Cobertura· 300 ml de creme de leite fresco · 2 colheres (sopa) de açúcar · Raspas de casca de laranja para decorar Modo de preparo MassaBata as claras em neve, acrescente as gemas uma a uma, o açúcar e o suco de laranja. Misture a farinha de trigo e o fermento. Coloque em uma forma de 22 cm de diâmetro untada e enfarinhada. Asse no forno preaquecido a 220ºC durante 40 minutos ou até dourar. Deixe esfriar e desenforme. RecheioEm uma panela, coloque o leite condensado, a margarina, o amido de milho dissolvido no leite de coco e o coco ralado. Leve ao fogo brando, mexendo sempre até desgrudar do fundo da panela. Deixe esfriar. Cobertura Bata o creme de leite com o açúcar até dar ponto de chantilly. Montagem Corte o bolo ao meio, recheie e cubra com o chantilly. Decore com as raspas de casca de laranja. Dica: Substitua as raspas de casca de laranja por coco ralado. Conteúdo do site ANAMARIA

23/05/2009

Comidas exóticas!! Fala sério, deste tipo aí estou dispensando prefiro morrer a comer isso!!!! Será que isto é verdade???Todo o meu aparelho digestivo quer acreditar que não!!!

22/05/2009

Pegue algumas batatas doces e experimente cozinhá-las e depois de frias e descascadas, corte-as em cubinhos e adicione linguiça calabrezza frita ao alho, óleo e bastante pimenta- do- reino. Para um toque especial, acressente cremne de leite por cima. Uma delícia!
Pra divertir...

21/05/2009

Calma

Mantenha a calma, quando tudo parecer dando errado.Tantas vezes, isso aconteçe,no nosso dia a dia culinário...a única coisa a fazer é se acalmar. Entrar em pânico é a pior coisa que pode acontecer!! Relaxe...

Delícia

Coisa de louco!! Massa do pão-de-ló: Ingredientes: 8 ovos; 8 colheres (sopa) de farinha de trigo; 8 colher (sopa) de açúcar; 2/5 colher (sopa) de manteiga derretida; 1 1/2 colher (chá) de fermento em pó. Recheio do pão-de-ló: Ingredientes: 200 g de cupuaçu; 4 xícaras de açúcar. Creme de cupuaçu: Ingredientes: 800 g de cupuaçu; 4 latas de leite condensado; 2 latas de creme de leite. Creme branco: Ingredientes: 2 latas de leite condensado; 2 latas de creme de leite; 3 gemas; 2 colher (sopa) de manteiga; 1 pitada de sal; 5 colheres (sopa) de amido de milho; 2 lata de leite condensado (a medida) de água. Chantilly: Ingredientes: Chantilly pronto (Amélia®); 3 Colheres de açúcar. Modo de preparo: Massa do pão-de- ló: Bata na batedeira as claras até ficar firme (ponto de neve). Adicione as gemas e continue batendo. Coloque o açúcar e o trigo em colheradas e o fermento sem parar de bater e por último a manteiga derretida. Numa forma retangular untada e enfarinhada. Leve ao forno para assar por 20 minutos. Modo de preparo: Recheio: Coloque numa panela o cupuaçu e o açúcar, leve ao fogo ,mexendo sempre até da o ponto de doce. Modo de preparo (montagem do Rocambole): 1-Coloque a massa de pão-de-ló, assada, sobre um pano de prato úmido, polvilhando com açúcar. Espalhe o recheio de sua preferência (usaremos o doce de cupuaçu) com uma colher. 2-Erga o pano de prato e comece a enrolar o rocambole. 3-Continue puxando as pontas do pano de prato e vá enrolando o rocambole. 4-ermine de enrolar o rocambole e aperte o ligeiramente. 5-Coloque o rocambole sobre um prato e corte em fatias. Montagem: Numa taça arrume na seguinte ordem: 1 Creme de cupuaçu; 2 Fatias de rocambole; 3 Creme branco; 4 Arrume algumas fatias de rocambole nas laterais da taça; 5 Chantilly; 6 Cereja para decoração final; 7 Servir bem gelada.

20/05/2009

Pudim

Pudim de pão é sempre uma ótima pedida para a sobremesa. Esta receita é muito simples de preparar e não tem erro. 3 unidade(s) de pão francês 1 1/2 copo(s) de leite 1 copo(s) de açúcar 2 unidade(s) de ovo 50 gr de queijo ralado 4 colher(es) (sopa) de farinha de trigo 2 colher(es) (sopa) de margarina Qualy Sadia Coloque aproximadamente 1 dedo de açúcar no fundo de sua fôrma refratária. Regue com 8 colheres de sopa de água e leve ao microondas por 6 a 8 minutos em potência alta, sempre observando para não queimar. Deixe no microondas em tempo de espera. Retire e espalhe a calda por toda a superfície do refratário, com o auxílio de uma colher, não esquecendo o cone central. Reserve. Descasque os pães e corte-os em fatias. Coloque numa tigela e cubra-os com leite (facilita o liqüidificar). Coloque o pão e todos os demais ingredientes no liqüidificador e bata. Despeje na fôrma caramelizada e leve ao microondas em potência média, por cerca de 12 a 15 minutos.

15/05/2009

Dicas importantes

Uma mesa bonita e bem posta pode deixar qualquer refeição muito mais gostosa. Experimente montar uma mesa . Você vai descobrir que comer pode ser muito mais prazeroso com apenas alguns detalhes. Confira as dicas e tenha um bom apetite com muita sofisticação. *Uma refeição cotidiana com a família não deve ser encarada como algo normal. Muito ao contrário, nunca devemos deixar de lado a elegância à mesa, sem esquecer a simplicidade da nossa casa. O serviço à brasileira é o que estamos mais acostumados, ou seja, é o tradicional serviço familiar, o serviço em nossas casas. A mesa deve ser arrumada com toda a elegância, pois mesmo que na mesa estejam sentadas pessoas muito íntimas, o capricho deve ser uma constante. *Procure não abordar temas desagradáveis. *Mantenha uma conversa amena, com assuntos suaves . A Cenoura É grande fonte de vitamina A. Além disso, contém muitos sais minerais, como fósforo, cloro, potássio, cálcio, sódio e vitaminas do complexo B. O suco ou caldo concentrado da cenoura, adicionado ao mel ou suco de limão, é ótimo para curar bronquite e indispensável para gestantes e lactantes, pois melhora a produção do leite. O suco da cenoura ainda funciona com laxante, combate a prisão de ventre, favorece o bom funcionamento do fígado, purifica a bile, ajuda na cura da icterícia, além de ser um bom remédio para as enfermidades dos brônquios e pulmões.

11/05/2009

Biscoito

Biscoito, foi o termo usado para descrever o pão cozido, duro, que se podia guardar sem estragar. A origem tem duas palavras francesas: "Bis" e " Coctus" , significando "cozido duas vezes". O processo de fabricação era muito simples, tomava-se o pãozinho e se aplicava um duplo cozimento para tirar o excesso de umidade, assim evitava que o estragasse, após o cozimento do pão, deixava-o por um dia, em uma câmara seca, a fim de "secar a água", para conserva-lo. O Biscoito deveria ser comido "somente após ter sido devidamente imerso em leite de cabra ou na sopa", seu provável tamanho e consistência devida torna-lo duro demais para os já modificados dentes do homem da época. A forma que o pãozinho seco (biscoito) tomou foi a de um pequeno pastel recheado de carne, que era chamado de "pão do viajante". A popularidade do "biscoito" aumentou, rapidamente, (em meados do século XVII), quando na Europa começou-se a adicionar chocolate ou chá ao biscoito. Criando o sabor e aroma, desde então para estimular as suas vendas, investiam-se os mais variados tipos de gostos e aromas. O progresso dos negócios dos biscoitos alertou as municipalidades para uma boa fonte de renda em taxas e impostos, sobre os já populares "biscoitos para chá" . Esta súbita oneração, determinou, em retorno, uma busca por métodos e modos mais econômicos e de maior rendimento; o início da industrialização.